CONHEÇA A CETIP

Você já pensou no motor que está por trás das
suas operações financeiras? Por que é tudo tão rápido?

A Cetip é a parceira das instituições financeiras que proporciona a agilidade, eficiência e, acima de tudo, segurança para as transações realizadas por elas. Oferece toda a infraestrutura e tecnologia necessárias para que o mercado não pare. Diversas transações que você faz, como investimentos,  financiamento de veículos e até o seu crédito imobiliário passam pela Cetip. 

Ela é a integradora do mercado financeiro. Com mais de 30 anos de experiência, beneficia milhões de brasileiros, todos os dias, com seus produtos e serviços. A Cetip oferece soluções para o registro, depósito, negociação e liquidação de instrumentos financeiro, como por exemplo CDB´s, LCI´s e LCA.

A origem da Cetip está na renda fixa. Hoje a companhia atua também com outros instrumentos financeiros, como cotas de fundo, derivativos de balcão e Certificados de Operações Estruturadas (COE). Atualmente mais de 17 mil instituições financeiras são nossos clientes, entre eles os principais bancos, corretoras, fundos de investimento, etc. Os benefícios propiciados por ela não param por aí. A empresa é a maior depositária de títulos privados de Renda Fixa da América Latina e a maior câmara de ativos privados do país. Além disso, é ela que calcula a Taxa DI – Cetip.

A Cetip é regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e pelo Banco Central. E conta ainda com uma estrutura de Autorregulação, que fiscaliza e supervisiona as operações, as atividades da organização e o mercado, para verificar se as atividades que ocorrem em seus ambientes estão dentro das normas.

Registro

Como garantir que o seu investimento está em seu nome na Cetip? A instituição que você contratou – como banco, corretora ou distribuidora - deve registrar a aplicação na Cetip.

Existem duas formas de confirmar que o investimento foi registrado:

É um canal online que possibilita consultar os investimentos registrados na Cetip. Todos os valores mobiliários – como Debêntures, CRIs, CRAs, os derivativos de balcão, além dos instrumentos contemplados no
Cetip | Certifica – como CDBs, LCIs, LCAs – estão disponíveis. As informações atualizadas diariamente oferecem ao investidor um extrato para que ele verifique suas aplicações na Cetip.

O Cetip – Certifica É um selo que comprova que os investimentos registrados na Cetip, pelas instituições credenciadas, estão em nome do investidor. Com isso, o
Cetip – Certifica propicia aos clientes dessas instituições a segurança e a transparência de suas aplicações financeiras. Acesse aqui e veja as instituições credenciadas e os ativos contemplados.

INVESTIMENTOS E DERIVATIVOS

Conheça os principais títulos registrados pela Cetip. Veja as principais características de cada um na tabela abaixo:

Aplicação

CDB Certificado de Depósito Bancário
Saiba mais

É um dos investimentos mais populares do mercado. É normalmente indexado a um percentual da Taxa DI-Cetip determinado no momento da contratação. Representa, para quem aplica, uma importante alternativa de diversificação de risco e, para os bancos, um dos principais instrumentos de captação de recursos. Entre os emissores dos CDBs estão bancos comerciais, múltiplos, de desenvolvimento e de investimento.

LCI Letra de Crédito Imobiliário
Saiba mais

A LCI é um dos instrumentos de Renda Fixa mais procurados pelo investidor pessoa física e que mais cresceram nos últimos anos. Entre os atrativos estão da isenção de Imposto de Renda para a pessoa física e da cobertura do FGC*. A LCI é emitida por instituições financeiras que concederam crédito ao setor imobiliário.

LCA Letra de Crédito do Agronegócio
Saiba mais

LCA possui estrutura semelhante à LCI. É um título emitido por instituições financeiras que tenham concedido crédito para a cadeia o agronegócio. A LCA apresenta o atrativo da isenção de Imposto de Renda para o investidor pessoa física e a cobertura do FGC*.

LF Letra Financeira
Saiba mais

A Letra Financeira foi criada em 2010 para proporcionar captação de longo prazo para os bancos e rapidamente se tornou um instrumento importante para essas instituições. O prazo mínimo de 24 meses proporciona melhor gerenciamento entre ativo e passivo do emissor. É principalmente acessada pelo investidor institucional e tem se mostrado uma das aplicações que mais crescem no País ¿ são bilhões de reais depositados na Cetip. Outra característica é o fato da emissão não ter valor unitário mínimo inferior R$ 150 mil.

DPGE Depósito a Prazo com Garantia Especial
Saiba mais

Este título foi criado para estimular a captação de recursos por instituições financeiras de pequeno e médio portes. Foi instituído em 2008, quando existia no mercado mais restrição de liquidez. O DPGE não aceita resgate antecipado, nem mesmo parcial.

RDB Recibo de Depósito Bancário
Saiba mais

O RDB é inegociável e intransferível. Com isso, quem adquire o título só pode resgatar o investimento no vencimento da aplicação.

Remuneração e
Indexadores
Tributação Risco Prazo mínimo e liquidez Última
atualização

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título. Cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

Não possui regra específica. O mais comum é o CDB com liquidez diária.

16/06/2015

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Isenção de Imposto de Renda (IR) para o investidor pessoa física

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título. Cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

O prazo mínimo varia de acordo com o indexador. Para Taxa DI-Cetip é de 90 dias.

16/06/2015

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Isenção de Imposto de Renda (IR) para o investidor pessoa física.

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título. Cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

O prazo mínimo varia de acordo com o indexador. Para Taxa DI-Cetip é de 90 dias.

16/06/2015

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título.

Prazo mínimo de 24 meses. Não possui liquidez.

16/06/2015

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título. Cobertura especial do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

Varia de acordo com a modalidade. Nunca é inferior a seis meses.

04/03/2016

Prefixada ou pós-fixada (Taxa-DI Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à instituição financeira que emitiu o título. Cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

Não possui regra específica para prazo mínimo. Não tem liquidez.

04/03/2016
Aplicação

Debêntures
Saiba mais

São títulos de Renda Fixa de longo prazo representativos da dívida de empresas. Ao adquirir debêntures, o investidor se torna credor da empresa e normalmente recebe o pagamento de juros periodicamente, com o principal retornando para o investidor no vencimento do título ou mediante amortizações. As debêntures de Infraestrutura, pela isenção de IR para o investidor pessoa física, têm apresentado sucesso entre esse público.

NC Nota Comercial
Saiba mais

Notas Comerciais ou Commercial Papers (também conhecidas como Notas Promissórias) são valores mobiliários - ou seja, instrumentos de captação de empresas ¿ de curto prazo que dão ao titular o direito de crédito contra o emissor. O processo de emissão da NC é ágil e visa diminuir o risco de necessidade de caixa das companhias, bem como financiar seu capital de giro. É muito utilizada como empréstimo-ponte entre emissões de debêntures.

CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários
Saiba mais

O CRI possui lastro em créditos imobiliários e só pode ser emitido por companhias securitizadoras, que transformam os fluxos de recebíveis de companhias ligadas a projetos imobiliários em ativos negociáveis no mercado de capitais. É lastreado em créditos imobiliários e é um título de longo prazo que, por contar com isenção de Imposto de Renda para a pessoa física, vem registrando aumento de interesse pelos investidores e, consequentemente, estimula a captação de recursos pelo setor imobiliário.

CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio
Saiba mais

O CRA possui lastro em créditos do agronegócio e só pode ser emitido por companhias securitizadoras, que transformam fluxos de recebíveis de companhias ligadas ao agronegócio em ativos negociáveis no mercado de capitais. Esses direitos de crédito se originam dos negócios realizados entre produtores rurais, ou suas cooperativas, e terceiros. Por isso, o CRA é considerado um incentivo ao setor rural.

Remuneração e
Indexadores
Tributação Risco Prazo mínimo e liquidez Última
atualização

Prefixada ou pós-fixada (Taxa-DI Cetip, Selic, índices de preços, Dólar e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva. Investidores estrangeiros e pessoas físicas podem contar com benefício tributário quando as debêntures foram emitidas de acordo com os parâmetros da Lei 12.431.

Relacionado à empresa que emitiu o título.

Não possui regra específica.

16/06/2015

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à empresa que emitiu o título.

Prazo máximo de 360 dias, com exceção para emissões 476, que contam com a contratação de agente fiduciário.

16/06/2015

Prefixada e pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Isenção de Imposto de Renda (IR) para o investidor pessoa física.

Relacionado ao lastro da operação.

Não possui regra específica.

16/06/2015

Prefixada e Pós-fixada (Taxa DI¿Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Isenção de Imposto de Renda (IR) para o investidor pessoa física.

Relacionado ao lastro da operação.

Não possui regra específica.

16/06/2015
Aplicação

LAM Letra de Arrendamento Mercantil
Saiba mais

A LAM é um instrumento de estímulo à captação de recursos no segmento de sociedades de arrendamento. O título é ágil e dinâmico, adaptado às operações de leasing.

LC Letra de Câmbio
Saiba mais

Letra de Câmbio é um título representativo de operação de crédito. Além de ser uma alternativa de investimento, as LCs são também uma forma de captação de recursos das financeiras. As emissões estão condicionadas à produção dos emissores, ou seja, a financeira só pode captar dinheiro com os papéis se emprestar novos recursos ao mercado.

Remuneração e
Indexadores
Tributação Risco Prazo mínimo e liquidez Última
atualização

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à sociedade de arrendamento emissora do título.

Não possui regra específica.

04/03/2016

Prefixada ou pós-fixada (Taxa DI-Cetip, Selic, índices de preços e outros).

Pagamento de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento, conforme o prazo da aplicação, pela tabela regressiva.

Relacionado à financeira que emitiu o título. Cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)*.

Não possui regra específica.

16/06/2015
*Até os limites estabelecidos pelo fundo para depósitos ou créditos por CPF/CNPJ e por instituição financeira de um mesmo conglomerado.
Aplicação
COE
Certificado de
Operações
Estruturadas
Saiba mais

O Certificado de Operações Estruturadas - COE é instrumento inovador e flexível, que mescla elementos de Renda Fixa e Renda Variável. Em uma só aplicação, proporciona diversificação e acesso a novos mercados, como commodities, índices, ações e câmbio. Traz ainda o diferencial de ser estruturado com base em cenários de ganhos e perdas selecionados de acordo com o perfil de cada investidor. Ao oferecer um COE aos investidores, as instituições financeiras observam as regras de suitability, ou seja, fazem uma análise do “apetite” ao risco de cada cliente. Portanto, se você estiver interessado em um determinado COE, será verificado se ele se adequa ao seu perfil e ao seu entendimento. Assim, investidores mais conservadores, que antes receavam acessar algum mercado específico, têm a possibilidade de alcançar uma remuneração diferenciada, estabelecendo um limite de perda no investimento. Investidores mais arrojados têm a oportunidade de investir em operações com algum grau de risco, porém com estratégias e cenários definidos. Para o investidor, é fácil acompanhar o desempenho, pois o COE é um combinado de possibilidades em um único instrumento, o que significa também uma única tributação.

Remuneração Indexadores Risco Prazo mínimo e liquidez Última atualização

Varia de acordo com o ativo, o movimento da economia e do cenário de ganhos e perdas escolhido

Moedas, ações, índices nacionais ou internacionais e outros

Atrelado ao banco que emitiu o título e também ao indexador e cenário de ganhos e perdas escolhido

Varia de acordo com a política de cada banco emissor

28/02/2016
Derivativo

Contrato a Termo
Saiba mais

Derivativo que possibilita compra ou venda de um ativo, em data futura, por um preço predeterminado. É um contrato bilateral e flexível (prazo, quantidade e taxa são escolhidos). É muito utilizado por empresas que buscam proteger ativos ou passivos de grandes oscilações de mercado. É um instrumento flexível: o tamanho do contrato, o prazo e a taxa de câmbio utilizada na liquidação são livremente negociados entre as partes. Diminui o risco de crédito, pois uma das partes (compradora ou vendedora) pode receber o prêmio no início da operação. A Cetip disponibiliza as modalidades Termo de Índice, de Moedas e de Mercadorias. O Termo de Moedas é o contrato de derivativo de balcão mais utilizado no Brasil e, no geral, é acessado por empresas exportadoras, importadoras e companhias com ativos e/ou passivos em moeda estrangeira. O Termo de Mercadoria permite proteção - sem a necessidade de movimentação de margens e garantias - contra oscilações nos preços de mercadorias (como aço, açúcar, zinco, entre outras).

Contrato a Termo
Saiba mais

Derivativo que possibilita compra ou venda de um ativo, em data futura, por um preço predeterminado. É um contrato bilateral e flexível (prazo, quantidade e taxa são escolhidos). É muito utilizado por empresas que buscam proteger ativos ou passivos de grandes oscilações de mercado. É um instrumento flexível: o tamanho do contrato, o prazo e a taxa de câmbio utilizada na liquidação são livremente negociados entre as partes. Diminui o risco de crédito, pois uma das partes (compradora ou vendedora) pode receber o prêmio no início da operação. A Cetip disponibiliza as modalidades Termo de Índice, de Moedas e de Mercadorias. O Termo de Moedas é o contrato de derivativo de balcão mais utilizado no Brasil e, no geral, é acessado por empresas exportadoras, importadoras e companhias com ativos e/ou passivos em moeda estrangeira. O Termo de Mercadoria permite proteção - sem a necessidade de movimentação de margens e garantias - contra oscilações nos preços de mercadorias (como aço, açúcar, zinco, entre outras).

Contrato de Swap
Saiba mais

O contrato derivativo de Swap se caracteriza pela troca de exposição aos ativos indexados. Permite reduzir o custo dos passivos e elevar a rentabilidade dos ativos, bem como alcançar proteção quanto a flutuações adversas de mercado.

Contrato de Swap
Saiba mais

O contrato derivativo de Swap se caracteriza pela troca de exposição aos ativos indexados. Permite reduzir o custo dos passivos e elevar a rentabilidade dos ativos, bem como alcançar proteção quanto a flutuações adversas de mercado.

Finalidade Indexadores Liquidação Última atualização

Compra ou venda de ativo com data e valor predeterminado para proteção (hedge) ou posicionamento contra oscilações de mercado

Moedas, índices e mercadorias

Por diferença

16/06/2015

Compra ou venda de ativo com data e valor predeterminado para proteção (hedge) ou posicionamento contra oscilações de mercado

Moedas, índices e mercadorias

Por diferença

16/06/2015

Proteção (hedge) e posicionamento contra oscilações de mercado

Taxas de juros, câmbio, mercadorias, ações, índices nacionais e internacionais e outros

Por diferença

16/06/2015

Proteção (hedge) e posicionamento contra oscilações de mercado

Taxas de juros, câmbio, mercadorias, ações, índices nacionais e internacionais e outros

Por diferença

16/06/2015

O QUE É COTA DE FUNDO

FUNDOS ABERTOS E FECHADOS

A cota representa uma determinada fração de um fundo de investimentos. O fundo, por sua vez, é um condomínio que aplica recursos em títulos, valores mobiliários e os demais papéis oferecidos pelo mercado financeiro e de capitais. Dessa forma, a soma de todas as cotas compradas pelos investidores representa o valor do patrimônio de um fundo. Já o valor da cota resulta da divisão do patrimônio líquido do fundo pelo número de cotas existentes.

 

O administrador do fundo é o responsável por divulgar o valor e as variações das cotas, cujos cálculos são feitos diariamente.

 

 

 

 

Os investidores podem comprar cotas de fundos abertos (CFA) ou fechados (CFF). No primeiro caso, não há data de vencimento. Ou seja, é possível fazer aportes ou resgates de recursos a qualquer tempo. Nos fundos fechados, por outro lado, saques só podem ser feitos no prazo de encerramento da carteira, podendo acontecer amortizações esporádicas ao longo de sua duração.

CALCULE A RENTABILIDADE DO SEU INVESTIMENTO. MULTIPLICAR É A PALAVRA

Existe uma diferença entre poupar e investir. É basicamente a diferença entre economizar e multiplicar. Quando eu poupo, estou me preparando para contar com os recursos a qualquer momento. Quando eu invisto, devo saber que há momentos melhores e piores, em termos de rentabilidade, para dispor do montante que apliquei.

A renda fixa é aquele tipo de investimento em que a remuneração é dimensionada no momento da aplicação, diferente do que ocorre com a
renda variável. Mas engana-se que pensa que a renda fixa não pode variar.

A renda fixa se baseia em indexadores (índices) para nortear a correção de valores nas aplicações. O mercado financeiro dispõe de vários índices para atualizar e projetar o resultado dos investimentos, sendo a Taxa-DI Cetip a mais utilizada.

Toda aplicação de Renda Fixa conta com uma regra que
define a rentabilidade no ato da negociação e classifica
as modalidades de investimento em:

Título pré-fixado

ao realizar a aplicação você já sabe exatamente a quantia que será resgatada no futuro, independente do andamento da economia.

Título pós-fixado

o cálculo está atrelado ao comportamento de um indexador, como a Taxa DI-Cetip ou algum índice de inflação, como IPCA ou IGP-M.

Tanto em um caso quanto em outro a rentabilidade contratada só vale se respeitado o prazo de vencimento. Além disso, o perfil de cada investidor determinará qual modalidade é mais adequada, considerando-se as condições do mercado e seus objetivos, sejam de curto ou longo prazo.

Então, na hora de investir, procure seu banco ou corretora, escolha uma aplicação e verifique se ela está registrada na Cetip.

CALCULE O RENDIMENTO
DOS SEUS INVESTIMENTOS

Para simular a rentabilidade das principais aplicações de Renda Fixa, 
a Cetip oferece as calculadoras da Taxa-DI Cetip e também de Debêntures.

Calculadora da Taxa DI-Cetip

Simula o rendimento acumulado de sua aplicação indexada à Taxa DI-Cetip, muito utilizada para aplicações em Renda Fixa. Basta inserir as datas de início e término do investimento, o percentual contratado da taxa e o valor investido. Clique no botão “calcular” para obter valor acumulado ao final do período.

ACESSE

Calculadora de Debêntures

As principais funcionalidades são a conversão das taxas padrão de mercado para PU (preço unitário) e PU para taxa, além da possibilidade de cálculo do valor na data da liquidação dos papéis. Acesse gratuitamente a calculadora de debêntures mais utilizada pelos profissionais do mercado financeiro.

ACESSE

VOCÊ SABIA?

A Cetip é a responsável por calcular a Taxa DI-Cetip, o principal indexador de rendimento de grande parte das aplicações de Renda Fixa no País. A taxa é apurada de acordo com o fluxo de Depósitos Interfinanceiros (DIs), título para transferir recursos entre dois bancos, e é publicada diariamente no site da Cetip.

VÍDEOS

Aqui você encontra vídeos sobre aplicações e conceitos importantes para você saber mais sobre o mundo dos investimentos. Convidamos você para conhecer também nossa websérie Aplicação sem Complicação e para acessar nosso canal no You Tube.

CONHEÇA NOSSO CANAL